Fabio Soares

Mates de Fim de Tarde

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Puxo o pingo pro galpão no arrebol de mais um dia
Sento na volta do fogo junto à peonada
Peço um mate parceiro cevado com alegria
E dentro do meu peito a calmaria faz morada

Um sol no ocaso passa pelas frestas do galpão
Nos campos já repousa a serenidade
E neste mate que passa de mão em mão
Vou remoendo anseios neste fim de tarde

No lombo do baio me arrancho na lida
Deixando ao relento tantas desilusões
Na roda de mate, na tarde que finda
Reencontro a paz que há nos galpões

Que cosa buena parceiro um mate bem cevado
Na calmaria que ronda as tardes do rincão
Contando causos de campo, histórias de um tempo antigo
E desquinando saudades ao pé do fogo de chão

Um violão faz costado pra um chamamé
Uma cordeona ressona pela noite fria
O mate segue sua volta no jeito tradicional
E entoando cantigas se encerra mais um dia

Canciones más vistas de

Fabio Soares en Mayo