Adair de Freitas

Milonga Para Um Gauderiar

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Essa gana de cruzar estradas
Procurar por nada
Sem saber por que
É uma balda que peguei no rito
Porque o infinito
Quem parar não vê

Essa ânsia de beber lonjuras
Madrugadas puras
Que meu pago tem
Ensinou-me a gauderiar sozinho
E me fiz caminho
Pra meu próprio bem

E o motivo desse meu entono
É que fiz um trono
Do meu sirigote
Sobre o lombo do meu flete amigo
Que se vai comigo
Estradeando ao trote

[Me encontrei por andar
Por andar me encontrei
Só do mundo é que eu sei
Nesse meu gauderiar]

Quantas vezes um olhar de china
Quis roubar-me a sina
Que a vida me deu
Mas eu sempre refuguei cadenas
E me fui sem pena
Quando amanheceu

Nem eu mesmo, campesino sério
Sei qual é o mistério
Do meu campejar
E o motivo que me faz liberto
Sem ter rumo certo
Nem onde chegar

Mas eu sei que voltarei à essência
Pois quem tem querência
Sempre voltará
Nem que seja bem depois da vida
Renascer na lida
De um gaúcho piá

[Me encontrei por andar
Por andar me encontrei
Só do mundo é que eu sei
Nesse meu gauderiar]

Essa gana de cruzar estradas
Procurar por nada
Sem saber por que
É uma balda que peguei no rito
Porque o infinito
Quem parar não vê

Essa ânsia de beber lonjuras
Madrugadas puras
Que meu pago tem
Ensinou-me a gauderiar sozinho
E me fiz caminho
Pra meu próprio bem

[Me encontrei por andar
Por andar me encontrei
Só do mundo é que eu sei
Nesse meu gauderiar]


Autor(es): Adair De Freitas

Canciones más vistas de