Joca Martins

No Interior dos Galpões

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Na hora que o sol apeia do lombo largo da pampa
Um poncho negro desaba e o dia muda de estampa
Pelos galpões das fazendas voltam à cena os tições
Formando a roda de mate, confessionário de peões

Do escuro brotam guitarras tropeando notas inquietas
Algum milagre acontece e campeiros viram poetas
Vão despontando pajadas e trovas de rimas tortas
Num ofertório de vidas até pras milongas mortas

As vozes rudes se erguem ponteando o canto dos galos
E as labaredas se agrandam como montando em cavalos
Quem tem raiz nos arreios floresce em lombo de xucros
A casco planta sementes das quais jamais colhe lucros

E o pasto nas invernadas vive seus dias contados
Em vez de vaca com cria vai ter tratores e arados
Por esses peões em vigília junto do angico que arde
Que o universo sangrando põe luto nos fins de tarde.


Autor(es): Frutuoso Araújo / José Carlos Batista De Deus

Canciones más vistas de

Joca Martins en Abril