Almir Rouche

Nordeste Independente

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Já que existe no Sul esse conceito que o Nordeste é ruim é sempre ingrato
Já que existe a separação de fato é preciso torná-la de direito.
Quando um dia qualquer isso for feito todos vamos lucrar imensamente
Começando uma vida diferente da que a gente até hoje tem vivido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente

Dividido a partir de Salvador
O Nordeste seria outro país
Vigoroso, leal, rico, feliz
Sem dever a ninguém no exterior
Jangadeiro seria o Senador
O caçador de roça era o Suplente
Cantador de viola o Presidente
O vaqueiro era o líder do partido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente

Em Recife o distrito industrial
O idioma ia ser nordestinense
A bandeira de renda cearense
Asa Branca era o Hino Nacional
O folheto era o símbolo oficial
A moeda o tostão de antigamente
Conselheiro seria o inconfidente
Lampião o herói inesquecido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente

O Brasil ia ter que importar
Do Nordeste algodão, cana e caju
Carnaúba, Laranja e Babaçu
Abacaxi e o sal de cozinhar
O arroz o agave do lugar
O petróleo , a cebola, a aguardente
O Nordeste é alto suficiente
Seu lucro seria garantido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente

Se isso aí se tronar realidade
E alguém do Brasil nos visitar
Nesse novo país vai encontrar
Confiança, respeito e amizade
Tendo o pão repartido na metade
Tem o prato na mesa, cama quente
Brasileiro será irmão da gente
Vá prá lá que será bem recebido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente

Eu não quero com isso que vocês
Imagine que eu tento ser grosseiro
Pois se lembre que o povo brasileiro
É amigo do povo português
Se um dia a separação se fez
Todos dois se respeitam no presente
Se isso aí já deu certo antigamente
Nesse exemplo concreto e conhecido
Imagine o Brasil ser dividido e o Nordeste ficar independente (3x)
Imagine o Brasil ser dividido...
. . . O povo já não é tão besta


Autor(es): Braulio Tavares / Ivanildo Villanova