Celso Fonseca

O Sorriso de Angkor

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Desculpe se eu não pude ser
A sentinela do abismo
quando voce precisou
Na beira do precipício
não estava o apanhador

Será que terá desculpa
A culpa que hoje carrego?
Pelas cidades me perco
nos campos de centeio

Nada me resta senão a dor
da vida partida ao meio
vi partir o meu amor
e não pude fazer nada

Tudo grita não
quando nada me consola
Não tem solução
além da lágrima de quem chora

Duvidei da perfeição
Aceitei a perfeição
Ao molhar a minha mão
nessa lágrima que rola

Nada estanca a dor
além da celestial esmola
que a gente encontra no Sorriso de Angkor
Vê o que permanece
no momento que se esvola
Encontra a paz no Sorriso de Angkor


Autor(es): Celso Fonseca / Ronaldo Bastos

Canciones más vistas de

Celso Fonseca en Agosto