O Pago em Coplas (Colcha de Retalhos)

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

No verão, céu estrelado, deito embaixo da carreta
A saudade não se ajeita, vem deitar no meu costado
Mania dessa guitarra cantar tropas, rondas, potros
Um verso puxando os outros até que o sono me agarra

Quem souber coplas que cante
Alma livre, rédea frouxa
Vamos tecendo uma colcha
Com retalhos do Rio Grande

Tive de vender inteira a tropilha dos gateados
Não deve ser da poeira que os meus olhos vem molhados
Saudade da sesta boa do galpão onde eu encilho
Meu pingo quebrando milho pelas tardes de garoa

Cavalo que corcoveia conheço ao meter-lhe o freio
Não tiro pra os meus arreios se for mesquinho da orelha
Don Avelar garganteia que a cavalhada é um assombro
Tirando os que corcoveiam são todps mansos de lombo

Logo depois do churrasco não me agrada ginetear
No balanço do corcóveo me dá ganas de sestear
Amunto bem e me agarro e o potro de plano feito
Pelo tranco que ele esbarra corcoveia do meu jeito

Moço metido a campeiro, arreio, pilcha bonita
Mando buscar um oveiro de "esprementar" a visita
Cavalo não nega conta, não fala da vida alheia
Me carrega e não faz conta e apanha se corcoveia

Quanto mais busco amizade mais acho rastro de sorro
Meu cavalo, meu cachorro, dois amigos de verdade
Não confio nem um pouco em louco bancando o certo
Muito menos em esperto querendo passar por louco

Abaixo vai meu cavalo, arriba vai meu chapéu
Mais alto só passarinho quando navega no céu.


Autor(es): MAURO MORAES

Canciones más vistas de

Mauro Moraes en Febrero