Celso Fonseca

Polaróides

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Vazia a casa por dentro, em volta nada
Vazio o baixo, a noite e o cobertor
Não fico triste inutilmente
Pensando que o encantamento entre nós acabou
Procuro por mim em volta e não acho nada
Gravado na tela do seu novo computador
Se paro meu olho na dela meu olho reclama
Da trama que envolve a paisagem noir do Leblon

Me desculpe a pressa, mas madrugada me chamou
Do meu canto eu prego a palavra que não se falou
Me desculpe a pressa, mas a madrugada me chamou
Só não vou na festa porque me interessa o seu amor

A gente tem quase tudo pra não dar certo
Mas quando estou perto um deserto se mostra maior
Se vejo asteróides eu penso que pode ser vento
Desejo que o vento me leve pra um mundo melhor

Eu quero que tudo pra nós seja verão eterno
E dure no inverno o que dura o perfume da flor
Disparo outra vez polaróides e o tempo dispara
E a noite revela que o tempo da noite acabou


Autor(es): Celso Fonseca / Ronaldo Bastos