Fabio Soares

Quando Um Pinho Vem Chorar

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Olhos voltados para um catre interior
Marcas de ausência com sabor de nostalgia
Um fogo grande não aquece a alma inquieta
Que por lembranças cada vez fica mais fria

O debruçar do sol ardente no poente
Traz mais silêncios pros braços da solidão
E a saudade aperta mais o par de puas
Pois nem a lua vem pratear minha escuridão

E num lamento guitarreiro
Quebro o frio do entardecer
Milongueando sentimentos
Nas cordas de um bem querer
Que a saudade não se agranda
Quando um pinho vem chorar
Fazer farra co’as lembranças
Num jeito bueno de “olvidar”

Milongueando sentimentos
Nas cordas de um bem querer
Que a saudade não se agranda
E nada mais há de “volver”
De alma fria me parei
Ao pé do fogo a tremular
Mas foi a alma deste pinho
Que fez a minha se aquentar

Restam milongas dedilhadas num lamento
E o rancho quieto escutando estas canções
Pois nesses fundos quem não tem jeito pra’os versos
Tem que aprender a conviver com as solidões

O canto puro é poncho nas noites mais frias
Aquenta a alma e transborda das retinas
Sempre comigo tenho um pinho afinado
Pra o meu costado pelas folgas campesinas

Canciones más vistas de

Fabio Soares en Mayo