Sonho do Navio Dourado

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Dentro de uma concha branca
Na beira da praia reapareceu
Quando já não se falava
Tanto em sua velha fama que viveu
Épocas de muita estória
De vergonha e glória
Todas confundidas nos recortes
De jornais
Que hoje são apenas folhas
Do arvoredo triste
Que lhe faz pensar
Que ao deitar-se à sombra dele
Vai dormir de frio pra não levantar

Imediatamente vindo
Foi rever amigos e reconhecer
Aquela cidade verde
Que durante os sonhos vinha lhe morder
Endereços já trocados, rostos tão fechados
Deve ser engano, aqui não tem nenhum João
E ao ver tudo assim mudado
Se sentou num bar e foi considerar
Que afinal foi no passado
Que ele era livre pra poder chegar

De repente ouviu
A sua própria voz dizer: Você errou
Ao querer voltar perdeu o senso do ficar
E agora reparou
Que o ferrão do tempo fere
E que o seu veneno fica dentro a consumir

Mas agora tudo é tarde
O que dói e arde é o nacional
Que você queria tanto, que exigia tanto
Como o bem e o mal

Levantou depressa e foi
Correndo ao caís do porto
Onde viu brilhar
Aquele navio dourado
Com sereias lindas
Sobre o azul do mar
Mas o capitão, do alto
Ordenou aos homens o desancorar
Lá se vai a caravela pelos mares loucos
Dessa embarcação
E ele acorda apavorado, mas se desafoga
Não é verdade não

Canciones más vistas de

Manduka en Enero