Joca Martins

Tirador

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Tirador velho curtido manchado de sangue fresco
Meu avental gauchesco que apresilho pacholento
És o rude paremento do meu ritual camponês
Que arrasto com altivez nas catedrais do relento

Teu flecos de meio palmo lado a lado sem emenda
Fazem às vezes de renda entropilhados na barra
E cantam que nem cigarra fazendo acompanhamento
Quando o laço barulhento cai num pealo de cucharra

Se às vezes num golpe seco o laço curte e escorrega
Sinto um cheiro de macega meio verde chamuscada
E de cintura oitavada calço no mais o garrão
Mas quem agüenta o tirão és tu relíquia sovada

Tu sempre andaste comigo gauderiando pelo pampa
Riscado de faca e guampa, manchado de criolina
Em qualquer lida genuína, na marcação e na festa
E até nas horas de sesta forrando cama de china

Por isso meu tirador cada vez que te apresilho
Viro de novo a potrilho e me vem aquela ânsia
De me largar na distância contigo, o pingo e o laço
Pra desentrevar o braço nalguma lida de estância

E ao te amarrar nas ilhargas meu rude traste campeiro
Eu me paro mais faceiro do que chinoca de brinco
E a cada pealo que finco ouço teus flecos proseando
Como que rememorando potreadas de 35

Quantas vezes, nem me lembro meu tirador de capincho
Eu te arrastei no bochincho dançando polca e vaneira
E nas canchas de carreira ao pé da fogueira acesa
Foste meu pano de mesa pra jogar truco e primeira

E quanto rio campo afora bandeei pra o lado de lá
Fazendo xaraxaxá contigo meu tirador
Na culatra ou de fiador tapado de espuma branca
Sempre batendo na anca do meu pingo nadador

Por isso quando esta vida nos rebentar de um tirão
No fundo do meu caixão serás o pano bendito
Porque tu traste esquisito que sempre amei com violência
És a lonca da querência que eu levo pra o infinito!


Autor(es): Jayme Caetano Braun

Canciones más vistas de

Joca Martins en Abril