Trás-os-Montes

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Belo Gavião
leva esta carta
p´ra além do Marão

Meu amigo Manuel
como vai Trás-os-Montes
quase um mês, o tempo voa
como vai a tua mãe, o teu pai
teus irmãos, diz
quando voltas pra Lisboa
tua irmã ainda escreve
essas frases bonitas que li num caderno assim:
"Quem era eu sem a vida
que era a vida sem mim"

Quando foi que escrevestes
já sei, foi pra longe
já lá vão quase dois anos
Trás-os-Montes não via
detrás das paredes
nem cheirava ares transmontanos
eles: porta fechada
eu: a abrir tua carta
e uma frase a brilhar, e eu li:
"Que eras tu sem a noite
que era a noite sem ti"

Quando vieres para baixo
vê lá, tem piedade
da fome do teu amigo
já aí vi feiticeiras
rodando o suíno
traz uns enchidos contigo
em Lisboa, quisera
eu comer uma alheira
que dê pra cantar assim:
"Que era eu sem a vida
que era a vida sem mim"

E ao chegarmos ao fim
de um jantar bem regado
que o vinho, esse, eu ofereço
línguas soltas, não vai ser difícil
lembrarmos de tudo desde o começo
veloz foi a viagem, a raiva
a risada, a energia
uma vida, enfim
"Que era eu sem a vida
que era a vida sem mim"

Viemos aqui parar
capital do Império
de trás de todos os montes
e o império desfeito, viemos provando
água de todas as fontes
e a amizade é por certo
a que sempre bebemos
do trago mais longo, assim
"Que era eu sem a vida
que era a vida sem mim"


Autor(es): Sérgio Godinho

Las canciones más vistas de

Sérgio Godinho en Agosto