Joan Manuel Serrat

Canção de madrugada

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Quem já ouviu a voz tão trémula
e triste dum campanário.
A luz que vem e o grito da garça
que desperta com fome e busca
por entre o trigo e cevada
qualquer coisita para comer.
Além dum galo
no curral canta.
A noite está morta, e amanheceu,
a noite está morta, e amanheceu.

Vem o encanto da madrugada,
a vila dorme ainda agora.

E despertar molhadas as folhas
no campo, já é manhã.
Sacodem agua mas não cai nada
quando se acaba a madrugada
e o sol quando aparece,
com o seu calor as vai beijar.
Erguem a testa
molhada e fresca.
Porque é na terra que vão ficar,
porque é na terra que vão ficar.

Dentro da vila chora um menino,
pelos silvados saltam cordeiros.

Pelos campos são os primeiros,
atrás vem o pastor,
encosta o gado com o seu cão,
e até outras pastagens vão.
Passam rios e cabanas,
porque à montanha querem voltar.
Saem com a aurora,
lá vai agora:
o seu caminho é sempre igual,
o seu caminho é sempre igual.

Chegando à vila um vendedor,
bolsa vazia e o carro cheio

de tantas coisas, de verduras
colhidas na sua horta.
A mula sua levando o carro
e o homem fecha os olhos e sonha.
E quando o sol se levanta
no horizonte, vai deslumbrar
as avezitas
que adormecidas,
durante o dia irão voar,
durante o dia irão voar.

E agora canto a madrugada,
a vila dorme ainda agora.


Autor(es): Joan Manuel Serrat

Canciones más vistas de