Marcelo Nova

A Balada Do Perdedor

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


A noite parece tão promissora luzes por todo lugar
Decotes sorrisos sussuros cheiro de conquistas no
Ar
E eu aqui sozinho tentando fazer esse isqueiro
Funcionar
Parado em frente à porta do paraíso mas sem vontade
De entrar

Os astros cheiram o pó das estrelas e as trombetas
Estão soando
É no céu que se morre de tédio os anjos estavam
Blefando
Eu conheci a mais bela vingança vestida de noiva no
Altar
Parado em frente à porta do paraíso mas sem vontade
De entrar

Essa é pra quem deus não respondeu
Essa é pra quem o tempo esqueceu
Essa é pra quem não renasceu
Essa é pra quem jogou e perdeu

Essa é pra Paulo Cezar que fez a mala e sumiu de
Vista
Essa é pra Marta que pulou da janela de um 8º andar na
Paulista
Eu ouvi os sons da dor e da fúria mudarem de lugar
Parado em frente à porta do paraíso mas sem vontade
De entrar

Essa é pra quem brindou ao destino e ao vento
Traiçoeiro
Essa é pra quem nunca entendeu o exato valor do
Dinheiro
Eu vi a areia do tempo entre meus dedos escorregar
Parado em frente à porta do paraiso mas sem vontade
De entrar

Essa é pra quem deus não respondeu
Essa é pra quem o tempo esqueceu
Essa é pra quem não renasceu
Essa é pra quem jogou e perdeu

Mas não há porque sentir vergonha do ponto onde
Chegamos
Sobreviver é uma forma de arte na rua onde nós
Moramos
Não há sede que se possa aplacar, nem sonho que se
Queira sonhar
Parado em frente à porta do paraíso mas sem vontade
De entrar

Se certifique das suas intenções quando for preencher
O papel
Pois é você quem carrega a bagagem no corredor desse
Velho hotel
Aqui não há serviço de quarto e talvez você tenha de
Ficar
Parado em frente à porta do paraiso mas sem vontade
De entrar

Essa é pra quem deus não respondeu
Essa é pra quem o tempo esqueceu
Essa é pra quem não renasceu
Essa é pra quem jogou e perdeu

Essa é pra quem deus nunca respondeu
Essa é pra quem o tempo esqueceu
Essa é pra quem não renasceu
Essa é pra quem jogou e perdeu


Autor(es): Marcelo Nova