Joca Martins

Alvorada Fronteira

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

O tropel da cavalhada
Retumbando no varzedo
Num hino de pago e terra
É um clarim de manhã cedo

Acordando a "pátria-pampa"
Chama a peonada pra lida
Porque o dia pede cancha
No ritual da recolhida

Afloram honra e raiz
quando se enfrenta um cavalo
ao som primeiro dos galos
cá num garrão de país

Esta alvorada fronteira
que vem brotando dos campos
apaga a luz das estrelas
e o lume dos pirilampos.

A noite que foi se embora
toda encilhada de lua
cedeu poemas pra aurora
forjando rimas charruas.

Foi madrugar nos açudes
afogando seua faroís
e a negra luz das quietudes
rompeu-se às lides de sóis.

Os mates ficam lavados
"se queda" triste o galpão
quando a silhueta do peão
troteia pra o descampado.

Um pai de fogo conserva
o braseiro em nostalgia
mais tarde se vira o mate
prá o mate do meio-dia.


Autor(es): Anomar Danubio Vieira / Marcello Caminha

Canciones más vistas de

Joca Martins en Abril