Calçada

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Vago entre os comodos, sofrendo calado
A dor nao some, acostuma a doer
Mas meu corpo implora um carinho, implora um cuidado

Como a fumaça que nao sobe, entra se revira e se acenta
Do meu lado
Uma companhia que nao me deixa tao so

Ah vida sem pe nem cabeça, que rumo tomaste?
Que cena encenaste pra esse estupido comum?
Que com os olhos quer ter ate os olhos lavarem
O rosto tao sujo, desprezado por vaidade

Vago por cinzeiros espalhados, acumulando
Os dias queimados, meu contador de solidao
Que conta os dias sim e os dias nao

A mesma casa, a mesma comida, a mesma fumaça, a mesma rotina
A mesma coberta, as mesmas horas, o mesmo sabor
O mesmo pavor de estagnar

Praticamente um ator, pra nao despertar a pena
Que ronda a inveja patetica e me mantem dopado
Me deixando irado, sentindo esse maldito gosto amargo
Do outro lado do prazer

Mas nessa pele parda que ja tanto serviu de calçada
Ninguem mais vai pisar e meus olhos treinados
Agora tao mudados, aceitam que ser feliz
Esta alem, muito distante de encantar o olhar.

Las canciones más vistas de

Bruno Vannuchi en Octubre