Caminhos Marginais

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Nos bancos duros da estação tapera
Onde meus rumos por vezes refaço
Vejo restolhos e fiapos humanos
Que se achegam em busca de espaço

Em meio aos trilhos que firme resistem
Entre dormentes quietos e vagões
Buscam atalhos se esmerando tristes
Nos vãos si lentes das composições

São trilhas cheias de encruzilhadas
Cartas marcadas que de longe vem
Com a pobreza que viaja sentada
Numa boleia do ultimo trem

Catam viajantes pra mostrar caminhos
Ombreando malas nos corpos esguios
E nos casebres a beira dos trilhos
Só tem miséria e pratos vazios

Caminhos tortos esses que ladeiam
As paralelas e as perimetrais
Sendas amargas que sempre transformam
Pobres crianças em pré-marginais


Autor(es): Jorge Guedes / Nenito Sarturi

Las canciones más vistas de