Cândida

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Dama daminha
D'amá-la haverei
Entre tantas, entre nós

O coração vaga sem cessar
Fino trato
Toque tato

És um taco
Tasco descolado
Do tic tac do meu coração

Tecer a teia
Com fio fluído inflável
Um casulo casaco
Um samba legal prá nos cobrir com carinho

Insinuante cidadã
Que por aqui tricota
Nos becos, aos beijos UAU
Chama … la riscarei no meio da madrugada
Rouco embriagado
Limpando as unhas com um punhal

Não me atirarei em poças d'água
Não espere isso de mim não
Não desaparecerei impunemente da vida
Me atirando num buraco

A vida avoa e vai mais longe
Até o fundo do poço
Cuidado moço
Prá não dizer a palavra errada
Cuidado cantor

Vez em quando vem um vento bobo e sopra
É preciso acreditar…

É preciso ter uma paciência revolucionária
É preciso ter uma fé inquebrantável
É preciso ter fantástica felicidade

Vem em quando tem um troço tolo
Trazendo toleimas

Da medula do cavalo
Interceptarei tuas ondas vespertinas
Diana das noites da vila
Caçadora má, bruxa malévola

Decepa-me o crânio e guarda de recordação
Como aquela mulher da Bíblia
A Salomé

Salamalaicon
Camaleoazilda
Descozilda pela vida
Conceição da imaginação
Cruzeiro do firmamento

Vez em quando
Vem um vento ventríloco
Soprar frases feitas
Na enfermaria do tempo

Dama daminha
Adoro o teu português castiço
Dama daminha
Você me atazana, tesouro
Dama daminha
Você é zarabatana no olho do inimigo
Linda linda linda
Ainda longe de mim
Linda linda linda
Ainda longe de mim

Por quantos séculos
Quantas medidas de tempo
Passearemos apressados
Grilados

Até que um momento de bobeira
Caia sob medida prá gente
Cabelo no pente


Autor(es): Chacal / Totonho Villeroy

Las canciones más vistas de

Antonio Villeroy en Octubre