BranKobran

Crônica de Uma Doença Crônica

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Minha doença é pensar mas se pensar é uma doença
Eu não quero me tratar e aceito essa sentença
No meio dessa densa massa me ponho como ameaça
Revolucionando cada neurônio reaça

A minha meta é metafísica
A vida não é real, é ficção científica
De praxe tento levar o práxis
No meio de um monte de gente citando Marx se sentindo no clímax
A real é que o mundo que vivemos é fictício
Gentileza é só ossos do ofício, e isso é só início
Família só é família na ceia
Mesmo assim já rola cara feia antes dos fogos de artifício
A marca da roupa garanta status independente dos extratos
Acham o cúmulo eu me satisfazer só de ver a cumulus stratus
Então vamos aos fatos, eu quem pago meus patos
E se eu vivo entre ratos me adapto ao formato
Talento não vem pronto, invisto nele sem desconto
E você burguês tonto com sua camisa de cem conto
Pela! O mundo tá fora da janela
Sua mente é uma caixa e você se esconde nela
Seu seio não ser farto é um fardo "num" padrão de beleza fraco
E pra pagar o implante é um parto, já que o dinheiro não brota do mato
É fato, um monte de mina trancada no quarto se achando ridícula
E só se sente melhor quando o formol alisou cada partícula
Enfraquecendo o power do black, é que dizem que é certo
Mas quem diz é moleque se achando esperto, dessa gente não fique perto
Se isole no deserto, se desapegue do aperto
Repense o que é incerto que talvez tenha concerto
Esse mundo prende dando a sensação de liberto
Verdade no modo encoberto, você em regime semiaberto
To no embate, pronto pro combate, no debate não tem empate
Conspiração tem, só não sei se o nome é illuminati, cheque-mate
A música que vende não rende pra mente, ao contrário
Tu se rende ao padrão de comportamento indecente que tá crescente, otário
As notas musicais são ignoradas,
Toneladas de palavras faladas incentivam os trouxas a andar na estrada errada
As coisas não piore, a priori,
Se ostentação trouxesse esperança, nossas crianças venerariam a val marchiori ou justus
Se quer ajudar alguém no teu som, comece não colocando meninas rebolando até o chão com shorts justos
Vivendo sustos, homem não escolhe mais mulher pela mente, só pelos bustos
Somos produtos de baixo custo, exausto trabalhando pra deixar o bolso do patrão mais robusto
Somos vendidos para os nossos chefes, não é blefe
Nosso código de barra é o cpf, o cep e o pis pasep
Minha ideia ativa é radioativa igual bomba atômica,
Minha doença crônica é pensar e fazer um rap
Click clack boom

Minha doença é pensar mas se pensar é uma doença
Eu não quero me tratar e aceito essa sentença
No meio dessa densa massa me ponho como ameaça
Revolucionando cada neurônio reaça


Autor(es): BranKobran

Canciones más vistas de

BranKobran en Mayo