De Quando um Malo se Bolca

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Se arrastou batendo forte,
fazendo rumor na guela,
saltou caindo na volta
se guasqueando de costela
mal deu tempo pra o "paisano"
atira um beijo pra ela
e maldito se "bolco"
junto a estronca da cancela.

Menos mal que "Deus" é taura
e mete bem o cavalo
por que o "diabo" se atravessa
pra nos "desmonta" num pealo.
Me escapei desta bolcada
por não ser a hora certa,
se eu nao saio "de vereda"
o desgraçado me aperta.

Sai com o cabresto firme
"agarradito no mais"
ainda dei um "gritíto"
e uma bombeada pra trás.
Vinha o "lôco" se bolcando
caindo feito um "bagaço",
pra ele não ser "chalera"
fiz levantar d`um lassaço.

Empreitei um potrada
da raça "lôca" e baldosa,
eguada criada solta
no banhadal da "Formosa",
onde veio um gateado
co´as quatro "estaca" rasgada
manoteador e "veiáco"
por ter a "marca borrada".

Desde o primeiro galope
já saltou berrando grosso
e eu lhe cortei de espora
do matambre até o pescoço
mas desta feita o "malino"
num "upa" trocou de ponta
e eu vi que a vida se "achica"
quando um bagual se desmonta.

Las canciones más vistas de

César Oliveira en Agosto