De Tudo Um Pouco

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Quebrô minha adaga, to peleando só co toco
De tudo um pouco me agarro de unha e dente
Sô missioneiro, homem xucro e retovado
Faço o passado se acoierá com o presente

Nas minhas andanças, trago as melena engraxada
Bota empoeirada da braba lida campeira
Meu tirador tá véio, quase em pedaço
De manotaço de égua xucra e carboteira

De noitezito eu meto-lhe um trago no peito
E já me deito no pelego sobre o chão
Minha companheira é a noite escura estrelada
De madrugada faço fogo no galpão

Rancho de barro, feito no sistema antigo
E o cusco amigo latindo no parapeito
Chaleira preta e um porongo bem cevado
Chapéu tapeado como um sinal de respeito

O meu passado nunca me sai da lembrança
Desde criança tenho a vida complicada
De dia por dia virando cerro de arado
Escuiambado de puxá o cabo da enxada

Minhas verdades hoje eu revelo cantando
Cresci brincando nas costa do Riguati
Uruguaiana, eu trabalhava o mês inteiro
De peão campeneiro na estância de Indaí

E quando eu chego nas bailantas de Domingo
Ato meu pingo debaixo de um cinamão
Desde guri eu gostei muito de surungo
E dum resmungo de cordeona de botão

E quando enxergo uma chinoca se assanhando
Me provocando pra dançar, eu já convido
Sendo solteira, ela se acampa nos meus braços
Se for casada, se disquita com marido.


Autor(es): Baitaca

Las canciones más vistas de

Baitaca en Agosto