Dias Escuros

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Andei pensando em tudo que já fiz por aqui, no quanto errei e em quantas vezes já cai...
To caminhando tentando ser alguém melhor, pra ninguém dizer que não tentei, que vacilei, ó
Tava lembrando de quando eu te vi sorrir, primeira vez, você já despertou em mim
Um sentimento, um negócio assim especial, explicação pra que? Foi algo assim tão natural...
E só agora, três anos se passaram e a cada olhar ainda sinto que é claro como o brilho do luar naquelas noites em que passamos juntos na rua
Essa brisa me faz pensar "é fi a vida continua"
E toda madrugada eu sinto mó vontade de dormir, mais sempre sou vencido pela minha ansiedade de em mais uma noite poder te ver chegar, cantar, brincar, falar, gritar e sorrir
Fico até tarde arquitetando planos de um futuro pra nós tentando afastar o desanimo
Que os outros plantam em mim, pow, baixo astral eu já tenho de sobra, cês podiam motivar,
ajudar, me deixar ser feliz
Do jeito que eu sempre quis, deixar a vida me levar mesmo que eu quebre o nariz
Sem apoio só vão plantar o ódio em mim, o desanimo num frustra só um plano, ele mata o
ser - humano, faz agente rastejar não nos deixa levantar, não vou deixar me abalar eu to aqui pra batalhar
Lembro de várias mina que passou por mim, cada uma que pensei ser a mulher da minha vida, na verdade ela tava escondida...
Sei que errei quando tentei te afastar, mais cê lembra eu era um menino que nem tinha boca pra falar, me entenda...
Eu tava em fase de testes pra agüentar a realidade de ter que todo dia trabalhar, ter alguém pra preserva, alguém pra poder amar, uma renda, um lar pra sustentar

E todos falam de amor mais poucos o conhecem, lembro da mãe e do pai desse mesmo moleque, que vieram de um lugar distante, deixarão a família lá longe pra poder criar essa criança cantante
Num tinha nem guarda roupa, a casa de só de dois cômodos, a mãe de noite com duas crianças, com medo, com sono!
Me lembro de quando isso aqui era favela, caia três chegava dez, só via morte e miséria
Nem podia sair de casa, aprisionado com medo, filho de pai policial no meio dos maloquero?
E ainda tem gente que acha que eu nunca passei aperto, é nego, e Cê chora só pq num ganho um brinquedo
Várias noite, vários dias, vários anos, mais agente num desistiu e agora nós tamo onde estamos
E o meu pai que Deus o tenha, espero que se orgulhe de ver o filho lutando pra ter seus próprio bagulho
E as nossas neoroze hoje são só as conta pra pagar... Que bom temo conta, sinal que temo um teto pra mora...


Autor(es): Dustin Maia

Las canciones más vistas de

Dustin Maia en Noviembre