Distância

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

A madrugada, que hoje morre calma
Desassossega o pobre coração
De um cantor que expõe a alma
Em cada verso de sua canção.

Numa lareira a labareda arde,
Tremula imagens dentre a escuridão
E vai secando sem fazer alarde
As notas tristes que chora o violão.

Não pode um peão manter a quietude
Se a distância lhe reparte o leito
Lamenta, embora a aparência rude,
Quando a saudade lhe invade o peito.

E a madrugada, que agora, finda
Ecoa rouca a voz do cantor,
Há uma lágrima que teima, ainda
Beijar-lhe a face tão febril de amor.

Talvez o mundo ao se fazer vigente
- como a ensinar o errado e o certo -
Fez a distância para que a gente
Seja consciente do valor do perto.


Autor(es): Moacir D'Avila Severo

Canciones más vistas de