Joca Martins

Dos Ancestrais até Aqui

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Vem o Rio Grande de tiro no cabresto do meu canto
E a minha voz eu levanto na evocação que aprendi
No borralho guarani que ainda mantem-se quente
No sangue da nossa gente dos ancestrais até aqui

No calor de um fogo grande o mate da madrugada
Com sangria desatada batizou a minha raça
E o tempo que vem e passa cada dia há de me ver
Teimando em renascer do picumã e da fumaça

Vim da invernada dos anos no rumo do tempo novo
E aqui encontro meu povo com traumas na identidade
Por isso a hostilidade quando eu canto do meu jeito
Contra os que acham direito matar nossas verdades

O gaúcho manancial, vertente de inspiração
Respaldado de opinião, guitarreando se agiganta
E estremece quando canta, senhor do próprio talento
Não tem preço o sentimento que transborda na garganta

Há gente que não houve estâncias neste canto de chão
Nem enxergam o galpão na estampa da voz trocada
Não andam na mesma estrada dos gaúchos de a cavalo
Nem ouvem cantos de galo despertando a madrugada

Não são culpados aqueles que não carregam no peito
Mas enxergam com respeito a tradição secular
E sim quem vive a explorar fazendo os próprios apartes
Pseudos-donos da arte que teimam em nos governar!


Autor(es): Joca Martins / Volmir Dutra

Canciones más vistas de

Joca Martins en Abril