Michael Sullivan

Do Tempo Que...

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Eu sou!
Do tempo do topete, brilhantina e vaselina
Eu sou!
Do tempo do beijinho na bochecha da menina

Do tempo que sapato grande era sapatão
E que galinha era comida só de domingão
Do tempo que a vaca era a mulher do boi, um dia foi

Eu troco as bolas sem querer, mas não me leve a mal
Naquele tempo tudo era normal
Do tempo que homem que comia homem era só canibal

Eu sou!
Do tempo do topete, brilhantina e vaselina
Eu sou!
Do tempo do beijinho na bochecha da menina

Do tempo que Roberta era nome de mulher
E dar colher era entregar pra alguém o seu talher
Comer na escada era coisa de pedreiro ocupado e apressado

Hoje parece, mas não é, ninguém mais faz segredo
O que era doce já ficou meio azedo
Do tempo que sentar numa boneca era só quebrar um brinquedo

Hoje em dia, alhos são bugalhos
Coringa é carta fora do baralho
A mão agora entrou na contramão de Eva e Adão

Hoje em dia, alhos são bugalhos
Coringa é carta fora do baralho
A mão agora entrou na contramão de Eva e Adão

Eu sou!

Eu sou!
Do tempo do topete, brilhantina e vaselina
Eu sou!
Do tempo do beijinho na bochecha da menina

Do tempo que Roberta era nome de mulher
E dar colher era entregar pra alguém o seu talher
Comer na escada era coisa de pedreiro ocupado e apressado

Hoje parece, mas não é, ninguém mais faz segredo
O que era doce já ficou meio azedo
Do tempo que sentar numa boneca era só quebrar um brinquedo

Hoje em dia, alhos são bugalhos
Coringa é carta fora do baralho
A mão agora entrou na contramão de Eva e Adão

Hoje em dia, alhos são bugalhos
Coringa é carta fora do baralho
A mão agora entrou na contramão de Eva e Adão

Eu sou! Eu sou!
Eu sou!


Autor(es): Michael Sullivan / Paulo Massadas

Canciones más vistas de