Aldir Blanc

Falha Humana

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Eu provoco desastres sinistros de amor
Aquelas tragédias que seja como for
Encerram fins de ano
Misturam na boca o pernil e a dor
O vinho e o horror
Um que anda no hall dos desaparecidos
Um outro que nem foi identificado
Ilusões soterradas, carinhos perdidos
Choro não resgatado
E a chuva em diferentes clarões de vermelho
As buscas inúteis pela noite inteira
O grito e a raiva, dois trens
Que se engavetaram em Mangueira

O choque permanente da decepção
Manchou minhas formas, apagou meu contorno
E não tenho seguro pra me proteger
De envelhecer nessa dor de corno
É um deslizamento daquelas barreiras
Que me sustentavam querendo descer
E que desabadas, vão ao ar deformadas
Em jornal de tv
Meu samba é a autópsia de amores passados
O atestado de óbito da vida insana
Teve meu laudo
Perito em paixão constatou:
Falha Humana


Autor(es): Aldir Blanc / Maurício Tapajós

Canciones más vistas de

Aldir Blanc en Octubre