Roberto Silva

Guerra De Facão

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Guerra De Facão

A dô num coxo é num te ração pro gado
A dô dum gado é num acha capim num pasto
A dô dum pasto é num vê chuva a tanto tempo
A dô du tempo é corre junto da morte
A dô da morte é num acaba com os nordestino
A dô dus nordestinos é te as penas injageradas
De avia logo discurpa pra quem li piso nu lombo
E lascou-lhe um cucurute vinte quilo de lagedo
Invés de achotá pra cachaprego vagabundo
Que se adeitô num trono, e acordou num pau de sebo

Eh eh eh boi eh boiada
Eh boi eh eh boiada

A dô dum jegue tadim nasceu sem chifri
A dô dum chifri é num nasce em certa genti
A dô da gentim é cunfiá demais nus otros
A dô dus otros é que nem todo mundo é besta
A dô da besta é num pari pra te seu fio
A dô pió dum fio é chora e a mãe num vê

Ta chegando o fim das época
Vai pega fogo nu mundo
E o pió que os vagavidas toca musga istrangera
Invés de aproveita o que é da gente do nordeste
Vou chama de mintiroso, quem mi dize
Que é cabra da peste

Eh eh eh boi eh boiada
Eh boi eh eh boiada

A dô du sol é que ele num conhece a noite
A dô da noite é que num tem mais seresteiro
A dô du seresteiro é o medo da puliça
A da puliça é vê ladrão nu mundo inteiro
A dô du mundo inteiro é que ta chegando gringo
A dô pió dum gringo é outro gringo du outro lado

Num sei se tô errado mas arrisco meu parpite
De acaba com as bombas tromba incoivará os rifris
Toca fogo em toda venda que é de fabrica canhão
Morre muito mena genti, se a guerra for de facão.

Eh eh eh boi eh boiada
Eh boi eh eh boiada

eh eh eh boi eh boiada
Eh boi eh eh boiada boi

Canciones más vistas de

Roberto Silva en Septiembre