Joca Martins

Heranças

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp


Está chovendo, eu mateio, no meu galpão de espinilho
Alargo a mente de xirú andarilho e me perco a rememoriar
De adonde veio esta ansiedade xucra de mudar de trilho
E essa tendência braba de bandear rio cheio

Está chorando a cordeona nos baixos e nas ilheiras
E o mate amargo me fala de fronteiras, de lanças
De clarins e de choronas, do meu destino de guardião
Dessas bandeiras que foram glórias das querências chimarronas

Pingo, cordeona e chuva, três heranças que não tem dono
Nem sinal, nem marca, nem querência, nem comarca
Mas são meus fletes de tropear lembranças

Meu pingo está relinchando e se agrandam as retinas
Das inquietudes de xirú brasinas
Quando se lembra que viveu peleando
De parceria com este irmão de crinas
Hoje um pretexto pra morrer cantando!


Autor(es): Jaime Caetano Braun

Canciones más vistas de

Joca Martins en Abril