História de um fazendeiro

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

(Eu me chamo Felisbino, nasci no Torrão Vermelho
Fui peão e sou patrão sempre lutando pareio
Muitas cabeças de touro eu quebrei a cabo de reio
Estou velho, mas pro serviço não sei dobrar o joelho
E por saber que morro cedo deixo os versos por conselho)

A galinha pra botar ela precisa de indez
E por isso então não desmanchem o que este velho fez
Segurem não ponham o que eu deixar pra vocês
Fortuna que é posta fora não se adquire outra vez

Cada genro é uma estrela que na minha casa brilha
Se acreditar em conselho será uma maravilha
Não vendam não ponham fora o que eu deixar pra família
Cuida e zela pra teus filhos o que eu deixar pras minhas filhas

E você meu filho homem escute o que eu digo agora
A parte que te tocar desfruta, zela e adora
Pra amanhã depois teus filhos e a minha querida nora
Desfrutaram a fortuna de quem deu e foi embora

Esta estância em que vivemos foi por mim adquirida
Não foi logrando ninguém e nem herança vencida
Agora já que me sinto cansado no fim da vida
Faço votos que não seja depois de ganha perdida

Eu me chamo Felisbino nascido no Caroquem
Não tive herança de pai trabalhando é que arranjei
Com gosto entrego a vocês tudo tudo o que ganhei


Autor(es): Gildo De Freitas

Las canciones más vistas de

Gildo de Freitas en Noviembre