Hora do Sossego

Imprimir canciónEnviar corrección de la canciónEnviar canción nuevafacebooktwitterwhatsapp

Quando o sol treme nas lombas
Relampeando a aba do freio,
A mutuca sai do mato
Junta o gado num rodeio

Nesta hora do sosssego
As folhas perdem o guizo
E a "peonada" ressona
Na sombra de um "paraíso"

A pipa d'água, tampada
Com um guardanapo de estopa
Fica "atentando" os caboclos
Que vêm beber na sua boca

Um garnisé canta longe
Ciscando o pé das macegas
E o sol, parado, sesteia
Na cama verde das léguas

A natureza transpira
Pelos umbrais do sossego,
Com tempo sesteando largo
Na lassidão de um pelego

Uma carijó, desasada,
Vem beber água no cocho
E acorda um cusco barbudo
Com sua cantiga de choco

Nesta hora é proibido,
Camperear montado em égua
Buscar fósforos na venda,
Rondar perdiz na macega

A visita que ia embora
Fica embromando e não sai
Pega um mate e outro mate
E a tarde longe se vai

O sol se veste com pala
Das nuvens, antes do tombo
E deixa o baio da tarde
Na sombra secando o lombo

Las canciones más vistas de

César Oliveira en Octubre