Luiz Carlos Borges

Portal

Print songSend correction to the songSend new songfacebooktwitterwhatsapp


Eis que vos conto de Rosa o itinerário
Seu curso como um rio - se quereis vós
Fonte no campo, o escambo, o sobressalto
Cristal que se rompeu, podres na foz

Um símbolo, direis, de tantas quantas
Iguais rota e derrota, linha e traço
Madrugam serenos e lunares
E anoiteceram peraus, peso e sargaços

Rosa de ventos ao vento - seu invento
Seu diário um inventário de memórias
Rancho no verde, no cinza o arrabalde
E uma tarja-carvão sujando histórias
Sangue no pasto, o rubro do começo
A véspera do transe, o transitório
O sol da puberdade envilecido
Numa lâmpada amarela de velório

A noite pelo dia, o roxo pelo claro
A vida e seu lançar de catapulta
E um grito a nos bater o punho insone:
-Pelos espinhos de Rosa, mea culpa!


Writer/s: Aparicio Silva Rillo

The most viewed

Luiz Carlos Borges songs in May