Drogas e Política (A Historia de Seu Osvaldo)

Print songSend correction to the songSend new songfacebooktwitterwhatsapp

Seu Osvaldo era um veio gente fina
Negociava erva na esquina
Tinha sua banquinha de revista
Onde a policia não revista
Falava sobre coisas de ET
Não via novela na TV
Caçava saci e chupa cabra
Era contra a ideologia do viagra
E ele tinha teorias
Sobre a vida e um belo dia
Ele não sabia que isso podia acordar
Desejos que dormem depois de um beijo
Na esquina o azulejo que faltava para ele viajar
Viajar viajar

Seu Osvaldo era um veio gente fina
Doutorado em mulheres argentinas
Sua amante uma bela nordestina
Seu amor a sua heroína

Osvaldo não queria mais saber
Do que ele via na televisão
Diziam que sua erva era do mal
E quem usasse não é cidadão

Mas ele tinha um belo plano, negociou com um italiano
Panfletos que contassem a verdade para o mundo
Políticos disseram que no jornal Osvaldo é
Vagabundo e não queria o bem da humanidade
(que barbaridade)
Ele pregava amor interno, luz e muita liberdade
Que se dane a vaidade

Osvaldo não era santo e mal sabia ler
Criticado respondeu que gostava de beber

E por ser analfabeto não podia traficar
Novidade no twiter pos o povo a comentar

Seu Osvaldo o fenômeno de toda região
"Drogas e política nem sempre é coisa de ladrão".

The most viewed

Lucy Sex Dez songs in April