BATATINHA


Fecha de nacimiento:
05 de agosto de 1924
Fecha de fallecimiento:
03 de enero de 1997

Sumario
Trovapedia
Canciones compuestas por
Batatinha
Cancioneros con canciones
de Batatinha
Más letras en CANCIONEROS
de Batatinha
Escúchalo en Apple Music
Oscar da Penha (Salvador, 5 de agosto de 1924 — Salvador, 3 de janeiro de 1997), mais conhecido como Batatinha, foi um compositor e cantor brasileiro, considerado um dos maiores nomes do samba da Bahia.


Biografia



Começou a trabalhar cedo, aos 10 anos, como marceneiro em Salvador, sua cidade. Passou a compor e a cantar depois de ouvir pela primeira vez um samba do compositor carioca Vassourinha.

Em meados da década de 1940, trabalhou como office-boy do Diário de Notícias, órgão dos Diários Associados, emprego obtido por indicação de Antônio Maria, que, na época, dirigia os DA em Salvador. Gravou suas primeiras composições na Rádio Sociedade da Bahia. Nessa época, Batatinha procurou Antônio Maria e apresentou-lhe seu primeiro samba, intitulado "Inventor do trabalho". Conhecido como "Vassourinha", devido à influência do sambista carioca, Batatinha dizia a todos que suas canções eram feitas por outros compositores, na esperança de que o seu trabalho fosse mais valorizado. A artimanha acabou não dando muito certo, mas foi suficiente para encantar Antônio Maria, que lhe deu o apelido que acabaria o acompanhando pelo resto de sua carreira – “Batata”, que, na gíria da época, significava gente boa.

Estudou música com o maestro Santo Amaro de 1946 a 1947, mas gostava de batucar em caixa de fósforos, que usava também para compor.

Foi preciso que o sambista Jamelão gravasse uma de suas canções, "Jajá da Gamboa", em 1960, para que o trabalho de Batatinha começasse a ser ouvido com mais atenção. Uma jovem cantora, ex-meia esquerda do time de Santo Amaro, chamada Maria Bethânia, tornou-se uma de suas primeiras fãs e incluiu algumas canções do compositor em seu show de estreia em Salvador, em 1961. Bethânia acabou sendo a grande intérprete de sua obra: gravou “Diplomacia” (de Batatinha e J. Luna, incluída no repertório do lendário show Opinião, em 1965), “Só Eu Sei” (também com J. Luna), “Toalha da Saudade”, “Imitação” e “Hora da Razão”, sendo que as duas últimas foram incluídas em outro grande espetáculo da cantora, Rosa dos Ventos, de 1971.

Pai de nove filhos, Batatinha trabalhava de dia como funcionário público na Imprensa Oficial da Bahia e, à noite, como tipógrafo no Diário de Notícias. Cercado de admiradores, foi homenageado por Paulinho da Viola, que compôs para ele “Ministro do Samba”, em 1973. Em 1996, os compositores baianos Paquito e J. Velloso (sobrinho de Caetano e Bethânia), depois de longos encontros com o sambista, começaram a organizar um disco em sua homenagem, o qual acabou sendo lançado somente um ano depois de sua morte, em 1997. Batizado de Diplomacia, o CD reuniu 17 canções interpretadas pelo compositor e convidados, como Gilberto Gil, Chico Buarque, Caetano Veloso e Maria Bethânia.

Aposentou-se pelo Diário de Notícias e morreu aos 72 anos, após gravar o último disco. O compositor e amigo Riachão, assim o definiu: "Uma cabeça cheia de cabelos brancos; cada fio uma nota musical".

A casa em que morou, na Ladeira dos Aflitos, em Salvador, foi transformada em um centro cultural que tem o seu nome.


Discografia



  • Diplomacia
  • Batatinha, 50 anos de samba
  • Toalha da saudade
  • Samba da Bahia
  • Batatinha e Companhia Ilimitada


Filmografia



  • Samba não se aprende no colégio, de Tuna Espinheira
  •  El contenido de este artículo ha sido extraído total o parcialmente de la Wikipedia en portugués bajo licencia Creative Commons.

     










     
    PUBLICIDAD
    PUBLICIDAD

     

    LO + EN CANCIONEROS.COM

     

    HOY DESTACAMOS
    La compañera de Atahualpa Yupanqui

    el 21/05/2020

    Fue la mujer que acompañó a Yupanqui durante casi medio siglo. Pese a que era una gran concertista de piano, dejó a un lado su carrera para acompañarlo. Junto a Atahualpa compuso 65 canciones de enorme éxito, como El arriero y Luna Tucumana.

    HOY EN PORTADA
    28 aniversario de su partida

    el 21/05/2020

    Hace 28 años, Atahualpa Yupanqui, el máximo exponente del folclore argentino moría en Nimes, Francia, horas después de tener que cancelar un recital. Un virtuoso de la guitarra, un poeta de las cosas simples, un hombre comprometido con sus ideas y con su tierra. Un artista que recién en los últimos años fue merecidamente reconocido por su país.

     



    © 2020 CANCIONEROS.COM

    Notas legales

    Qué es cancioneros
    Aviso legal
    • Política de privacidad

    Servicios

    Contacto
    Cómo colaborar
    Criterios
    Estadísticas
    Publicidad

    Síguenos

       

    cancioneros.com/letras
    Acceso profesional