PAULO CÉSAR FEITAL


Fecha de nacimiento:
24 de febrero de 1951

Sumario
Trovapedia
Canciones compuestas por
Paulo César Feital
Cancioneros con canciones
de Paulo César Feital
Paulo César de Oliveira Feital (Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 1951) é um compositor brasileiro.

Parceiro de grande nomes do cenário musical como Claudio Cartier, Roberto Menescal, Nelson Cavaquinho, entre outros, tem canções gravadas pelos grandes intérpretes da música popular brasileira como Milton Nascimento, Nana Caymmi, Chico Buarque, Emílio Santiago, Alcione, Beth Carvalho e outros.


Biografia



Paulo César Feital é autor/compositor, poeta e teatrólogo. Aos quatorze anos, sua primeira música foi gravada por Moreira da Silva. Compositor gravado por grandes intérpretes da MPB, como Milton Nascimento, Nana Caymmi, Chico Buarque, Emílio Santiago, Alcione, Beth Carvalho, Leny Andrade, MPB-4, Danilo Caymmi, Quarteto em Cy, João Nogueira, Zezé Mota, Cauby Peixoto, Pery Ribeiro, Tim Maia, Selma Reis, Sandra de Sá, entre outros, e, no exterior, por Luz Marina, Don Barrows, Lucho Gatica e Barry Mannylow, Feital soma uma discografia de mais de 400 músicas.

Fazem parte de sua autoria sucessos como: Saigon, Perfume Siamês, Dias de Lua, Cinelândia, No Analices, Meu Louco, Bolero de Neblina, Brasil de Oliveira da Silva do Samba, Quarenta anos, Meu Louco entre outros.

Tem como parceiros, reconhecidos nomes do cenário musical do país: Nelson Cavaquinho, Guinga, Suely Costa, Elton Medeiros, Francis Hime, João Nogueira, Jorge Vercilo, Jota Maranhão, Carlinhos Vergueiro, Gilson Peranzzetta, Jorge Aragão, Luiz Carlos da Vila, Lenine, Hélio Delmiro, Cristóvão Bastos, Roberto Menescal, Jorge Simas, Cláudio Cartier, Altay Veloso, entre outros.

No Cinema, assinou as trilhas musicais do curta-metragem Colônia Juliano Moreira e a incidental do longa Lucio Flávio o Passageiro da Agonia. No teatro, as trilhas de Subo nesse Palco e Temporal. Ainda no teatro, é autor das peças Lua com Limão, O Primo do Presidente, Beto, Filho de Mayra e o infantil Chorinho de Pelúcia.

Como diretor, esteve à frente de grandes espetáculos: 50 anos de Elizeth Cardoso, De amor é Bom, Xingu e Farmacopéia, com João Nogueira”, 40 anos de Elis, Viva Clara, ao lado de Fagner, Chico Buarque, Beth Carvalho e João Nogueira, 15 anos de Carlinhos Vergueiro, Corrente de Aço com Roberto Ribeiro, entre outros.

Feital foi incluído nos livros Antologia dos 50 Maiores Poetas Cariocas do Século, de Olga Savari, e Antologia da Música Brasileira, de Haroldo Costa. Venceu vários prêmios, como o Sharp, de música, Prêmio Castro Alves de Sonetos e Festival Internacional Latino Americano, entre outros. Na década de 80, a convite do compositor João Nogueira, assume a direção artística do Clube do Samba. Na década de 90, criou a Companhia da Ilusões musical que com Altay Veloso, Clarisse Grova e Aladim e mais tarde, Ninah Jô, Silvia e Penha Reges, cantou o Brasil em vários shows. Com o Compositor Carlinhos Vergueiro, realiza o espetáculo “ Musica nos tempos do Collera” que fica em cartaz durante uum ano em São Paulo.

Em 2002, Com o compositor e instrumentista Jorge Simas, gravou seu 3º CD “Carta ao Rei”, com participações especiais de Chico Buarque, Paulo Moura, Leny Andrade, Selma Reis, Carlinhos Vergueiro, Rildo Hora e Cris Delanno. Ainda em 2002 participa como convidado do espetáculo “Neste Palco Iluminado” produzido pela Tropical Sul Produções, produziu e dirigiu o cd e o show Filha da pátria, de Cris Delanno. Escreveu, em parceria com a psicanalista Eliza Maciel, a peça E Daí, Isadora?, com direção de Bibi Ferreira, e estrelada por Tânia Alves e Jalusa Barcellos.

Gravou em 2003 o cd “Ofício: Brasileiro” (Selo Mec-BR), em que registrou algumas das mais importantes composições de sua carreira ao lado dos principais parceiros. Assumiu a direção do musical, Alabê de Jerusalém que em 2004 se apresentou no Canecão- RJ, Teatro Municipal de Niterói e circuito SESC.

Em 2005 assume a Produção artística dos CDs (Minas- Marcio Lott e Nordeste – Eudes Fraga) do Selo Radio Mec.
2006 – ano em que o poeta começa a escrever seu livro de sonetos; cria o espetáculo “ Pelos Bancos do Brasil” e “ Seu Sebastião do Rio de Janeiro”, e assume a supervisão artística da ópera negra “ Alabê de Jerusalém de Altay Veloso.

Em 2007 assume a montagem da ópera Alabê de Jerusalém no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, escreve em parceria com a roteirista Eliza Maciel o espetáculo “Fragmentos de um país que samba e chora”, finaliza seu livro de sonetos, seleciona repertório para seu próximo CD; tem musicas gravadas por Alcione, Fátima Guedes, Jorge Vercilo, entre outros e, começa a escrever um texto teatral para 2008. (monólogos). Em 2008, com mais uma temporada do musical “Neste Palco Iluminado” junto com a cantora Claudette Ferraz.

Em 2016, pela primeira vez na carreira, Feital foi autor de um samba-enredo: "O Alabê de Jerusalém: A saga de Ogundana", composto em parceria com Felipe Filósofo, Zé Glória, Maria Preta, Fabio Borges e William, foi escolhido para o desfile da Unidos do Viradouro. A obra ganhou diversos prêmios, tais como o Estandarte de Ouro, SRZD-Carnaval, Estrela de Ouro e S@mba-Net.

Em 2017, foi compositor do samba-enredo da Mocidade Independente de Padre Miguel, ao lado dos parceiros Altay Veloso, Zé Glória, J. Giovanni, Dadinho, Zé Paulo Sierra, Gustavo, Fábio Borges, André Baiacu e Thiago Meiners. O enredo da agremiação no Carnaval 2017 era "As mil e uma noites de uma 'Mocidade' pra lá de Marrakesh" e o samba foi aclamado pela crítica de carnaval e pelos próprios torcedores da escola como um dos maiores samba-enredo da história da agremiação. A Mocidade Independente foi campeã do Carnaval 2017, junto com a Portela.


Discografia



  • (2000) Carta ao Rei - Paulo César Feital e Jorge Simas
  • (1997) Cenas Brasileiras
  • (1994) Paulo César Feital e a Companhia das Ilusões
 El contenido de este artículo ha sido extraído de la Wikipedia en portugués bajo licencia Creative Commons.

 










 
PUBLICIDAD
PUBLICIDAD

 

LO + EN CANCIONEROS.COM

 

HOY DESTACAMOS
Testimonio

el 12/07/2018

La sonrisa de Víctor Jara, imborrable en mi memoria, quedó atrás. La fila india de prisioneros —manos en la nuca— siguió su marcha.

HOY EN PORTADA
Nuevo cancionero y discografía

por Sebastián Garay el 26/06/2018

Presentamos el sexto de nuestros cancioneros y discografías anunciados en el marco de nuestro vigésimo aniversario. Jorge Drexler, viajero y juglar, máximo representante de las nuevas generaciones de trovadores uruguayos tiene desde hoy su merecido espacio en nuestras páginas.

 



© 2018 CANCIONEROS.COM, CANDIAUTOR 2010 SL

Notas legales

Qué es cancioneros
Aviso legal
• Política de privacidad

Servicios

Contacto
Cómo colaborar
Criterios
Estadísticas
Publicidad

Síguenos

   

 

Acceso profesional