RICARDO VILAS


Na célebre foto que mostra os presos políticos trocados pelo embaixador Charles Burke Elbrick em 1969, antes de embarcarem para o exílio, Ricardo Vilas Boas está de pé, no centro, o mais baixo de óculos com armação grossa.
Na célebre foto que mostra os presos políticos trocados pelo embaixador Charles Burke Elbrick em 1969, antes de embarcarem para o exílio, Ricardo Vilas Boas está de pé, no centro, o mais baixo de óculos com armação grossa.

Fecha de nacimiento:
30 de agosto de 1949

Sumario
Trovapedia
Canciones compuestas por
Ricardo Vilas
Cancioneros con canciones
de Ricardo Vilas

Ricardo Vilas Boas Sá Rego (Rio de Janeiro, 30 de agosto de 1949) é um cantor, compositor e letrista brasileiro. Nos anos 60, além de sua carreira de músico, foi mais conhecido por sua militância política que o fez ser preso pela ditadura militar instalada em 1964, sendo um dos presos políticos trocados pelo embaixador dos Estados Unidos Charles Burke Elbrick, sequestrado no Rio de Janeiro por integrantes da Dissidência Comunista da Guanabara e da Aliança Libertadora Nacional (ALN) em setembro de 1969.


Biografia



Ainda adolescente e com o nome artístico de Ricardo Sá, integrou entre 1966 e 1968 o grupo vocal Momentoquatro com Zé Rodrix, David Tygel e Maurício Maestro, que mais tarde seguiriam uma carreira de sucesso, Rodrix, individualmente e no trio Sá, Rodrix & Guarabyra e Tygel e Maestro com o Boca Livre. Com o Momentoquatro, Villas Boas participou do III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record de 1967 acompanhando Edu Lobo e Marília Medalha, que venceram o festival com Ponteio.

Estudante de Psicologia, atuante na militância política contra a ditadura e integrando a Dissidência da Guanabara, ele foi preso em 1º de maio de 1969 junto com a companheira de organização Maria Augusta Carneiro quando distribuía panfletos contra o governo no centro do Rio de Janeiro. Em setembro do mesmo ano, os sequestradores do embaixador norte-americano exigiram sua libertação em troca de Elbrick, numa lista com Maria Augusta e mais 13 presos do regime e Villas Boas foi embarcado para o México, sendo banido do território nacional pelos militares. Do México, exilou-se na França, onde fez mestrado em Etnomusicologia na Sorbonne.

Em 1970 conheceu no exílio a cantora Teca Calazans, com quem formou a dupla Teca & Ricardo, que atuou junta por mais de uma década. Com a entrada em vigor da Lei da Anistia, Ricardo retornou ao Brasil em 1979, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores e em 1983 assumiu a direção musical do seriado Sítio do Pica-Pau Amarelo, na Rede Globo de Televisão; na mesma emissora, nos anos 1980, compôs músicas e trilhas sonoras para novelas como Roque Santeiro e Selva de Pedra e dirigiu o programa Globo de Ouro.

Voltou à França a partir de 1989, lançando um CD e fazendo excursões pela Europa e em 1995 dividiu sua carreira musical entre o Brasil e a Europa, lançando CDs de música popular brasileira na França e no Brasil. Em 1998 lançou na Europa o disco Ricardo Villas e amigos que contou com a participação de Chico Buarque de Holanda, Lenine, Joyce, Sá & Guarabyra, Wagner Tiso, Nana Caymmi, Zé Ramalho, Ângela Maria e de seus antigos companheiros do Momentoquatro, Zé Rodrix, Maurício Maestro e David Tygel, gravado no Rio de Janeiro, São Paulo e Paris. A partir de 2006 voltou a residir permanentemente no Brasil, assumindo a direção musical da TV Brasil. Em 2015, tornou-se gerente musical da Empresa Brasil de Comunicação.

Categoria:Opositores da ditadura militar no Brasil (1964–1985)
Categoria:Membros do Partido dos Trabalhadores
Categoria:Músicos do Rio de Janeiro
Categoria:Compositores do Rio de Janeiro
Categoria:Cantores do Rio de Janeiro
Categoria:Naturais do Rio de Janeiro (cidade)
 El contenido de este artículo ha sido extraído de la Wikipedia en portugués bajo licencia Creative Commons.

 










 
PUBLICIDAD
PUBLICIDAD

 

LO + EN CANCIONEROS.COM

 

HOY DESTACAMOS
Nuevo cancionero y discografía

el 22/05/2018

Presentamos el quinto de nuestros cancioneros y discografías anunciados en el marco de nuestro vigésimo aniversario. María Dolores Pradera siempre ha reivindicado —incluso cuando no estaba de moda— la obra de los grandes autores populares hispanoamericanos, desde José Alfredo Jiménez a Chabuca Granda, pasando por Atahualpa Yupanqui o Carlos Cano. Hoy la reivindicamos a ella.

HOY EN PORTADA
6 Festival Jardins de Pedralbes Barcelona 2018

por Carles Gracia Escarp el 14/06/2018

Mariza renovó su idilio con Barcelona en un concierto en el Festival Jardins de Pedralbes en el que presentó su nuevo disco de título homónimo Mariza, una obra que refleja bien el equilibrio artístico y personal de la cantante portuguesa en el presente, un espejo de calma hecho canción.

 



© 2018 CANCIONEROS.COM, CANDIAUTOR 2010 SL

Notas legales

Qué es cancioneros
Aviso legal
• Política de privacidad

Servicios

Contacto
Cómo colaborar
Criterios
Estadísticas
Publicidad

Síguenos

   

 

Acceso profesional