Letras de canciones
Vota: +0


Idiomas
  

Traducción automática
      
NOTA IMPORTANTE El uso de traducciones automáticas suele dar resultados inesperados.
 
Comentarios

Adaptacão: Verónica Redondo Moreno

Aparece en la discografía de

História de um fado


As rúas de Lisboa do bairro de Alfama
contemplam a loucura di uma mulher endiabrada.
Amor de duplo filo de dicha e agonia,
mutila seu coração e deixou-a vazia.
E o fado encheu suas noites, matou a sua dor,
como um mau vinho.
Depois, ele viu sua alma,
como um fantasma perverso e lascivo.

Fado, sal de mi, que me custa respirar,
não posso viver contigo.
Fado, sal de mi, não me dê esse castigo.
Fado, fado.
Como alma do diabo le grita
un veintiotu e contaisa sua tu,
o vainén da roupa extendida.
E canta con saudagi chorando como un meninho:
¿Onde stas, oh meu amor? ay, coraçao sozinho.
E o fado fala por seus lábios,
mova seu corpo e provoca
e rugi em sua dentro ainda
que ela morda sua língua e sua boca.

Fado, sal de mi, sal de mi,
que me custa respirar,
não posso viver contigo.
Fado, sal de mi, não me dê esse castigo.
Fado, sal de mi, que me dói respirar,
não posso viver contigo.
Fado, sal de mi, que istas a fazer conmigo.
Fado, fado, fado, fado.
Lágrimas de agua y sal
rolam desde Alfama a teu mar.

 










 
PUBLICIDAD
PUBLICIDAD

 

LO + EN CANCIONEROS.COM

 

HOY DESTACAMOS
Testimonio

el 12/07/2018

La sonrisa de Víctor Jara, imborrable en mi memoria, quedó atrás. La fila india de prisioneros —manos en la nuca— siguió su marcha.

HOY EN PORTADA
Festival Grec 2018

por Carles Gracia Escarp el 18/07/2018

Coetus presentó su tercer disco de estudio: De banda a banda (Satélite K, 2018) en la Sala Apolo de Barcelona, en el marco del Festival Grec 2018.

 



© 2018 CANCIONEROS.COM, CANDIAUTOR 2010 SL

Notas legales

Qué es cancioneros
Aviso legal
• Política de privacidad

Servicios

Contacto
Cómo colaborar
Criterios
Estadísticas
Publicidad

Síguenos

   

 

Acceso profesional